domingo, 21 de outubro de 2012

Morrer e suceder; morrendo, e lendo

Depois de longo período em que me dediquei a outras coisas, muito mais aprazíveis, tornei a pegar o livro de Giselda Maria F. N. Hironaka.

Deparei-me com a seguinte frase:

”Esse cenário resumia o espírito prático do direito romano e colocava em cheque a própria mitologia posterior, construída em torno do direito romano.” (Morrer e suceder. Passado e presente da transmissão sucessória concorrente. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, p. 311. O destaque não consta no original)

Fui até o interior da minha casa, peguei uma dose dupla de uísque, retornando ao escritório agora para ler o resto.